Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

sábado, 22 de outubro de 2011

Candidatos reclamam de textos longos nas provas do ENEM


Agência Brasil



São Paulo – O tamanho dos textos e enunciados das questões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foi a principal reclamação dos candidatos que fizeram a prova na Universidade Nove de Julho (Uninove), na zona oeste paulistana. A estudante Daniela Andrade, 18 anos, diz que não achou a prova difícil, mas cansativa. “É muito texto, são muito grandes as perguntas”, disse a jovem que admitiu ter estudado somente “um pouco”.

Avaliação semelhante teve Camila Feliciano, estudante da mesma idade. “Eu achei que deveria ter estudado mais, porque estava fácil”. Apesar do baixo nível de dificuldade, ela acha que foi mal devido ao pouco empenho no último ano no cursinho. Camila também reclamou dos enunciados. “Muito texto, dava até sono.”

No entanto, os temas tratados na prova ajudaram a candidata Michele Oliveira. Ela achou o exame menos complicado do que o do ano passado. “Como foi bem focado em atualidades, e eu leio muito, estava bem fácil”, disse a aluna do ensino médio que pretende usar a nota para entrar em um curso de psicologia ou jornalismo.

Por acompanhar diariamente as notícias na internet, Micael Magalhães também acha que se saiu bem nas questões relacionadas a política e atualidades, em especial as que trataram da situação da Líbia. O estudante de 17 anos espera que o segundo dia do exame seja ainda mais fácil. “Acho que tenho habilidade para redação”, ressaltou.

Cursando economia em uma faculdade particular, Leandro Loiola, 26 anos, pensa justamente o contrário. Para ele, a prova de redação, parte da avaliação de amanhã, é um desafio à parte. “A redação sempre precisa de um tempo a mais”, destacou. (Fonte: correioweb.com)
Comentário: Nossos estudantes, infelizmente, em sua grande maioria, tem preguiça de encarar a leitura a sério. Leem pouco ou quase não leem. Acham perda de tempo. Cansativo. Preferem o audiovisual. Por isso a dificuldade em analisarem com criticidade as relações intertextuais e as questões subjacentes a vários momentos da leitura. 
Afeitos à leitura acrítica, rasa, superficial, de textos curtos, mal redigidos, bem como do uso de gírias internéticas, que praticamente descontroem a língua culta, nossos alunos se veem em maus lençóis quando vislumbram a sua frente um artigo, uma crônica, uma resenha, enfim, uma construção textual um pouco "maior", um texto mais "aprofundado". Acham, como disseram alguns estudantes ouvidos na matéria acima, que são "muito grandes".
É tarefa dos professores alertarem constantemente para a necessidade de se criar, de fato, o hábito de ler. E de se preparar para uma leitura crítica, atenta, problematizadora. Assim como é tarefa da escola, dos professores e dos pais (também), exercitarem nesses jovens a capacidade de raciocínio lógico, crítico, sistêmico. 
Já é por demais sabido que o molde das provas do ENEM, desde sua criação, busca romper com a clássica pergunta "decoreba", trazendo em suas questões problemas interligados, trabalhando a resposta a partir da visão inter, trans ou mesmo multidisciplinar. Logo, numa mesma questão pode se cobrar um conteúdo que envolva, por exemplo, conhecimentos e habilidades nas áreas de história, geografia, literatura (só para ficar por aqui). Por isso, me surpreende que, ainda hoje, alguns alunos pareçam não ter se dado conta dessa realidade. Sinal de que ainda há muito a se corrigir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas