Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Whitesnake e Judas Priest encerram turnê no Brasil (Parte II)

Epitaph Tour - Judas Priest

Um show de luzes, pirotecnia e efeitos visuais foi o pano de fundo perfeito para a execução das clássicas músicas da longa trajetória da banda de Rob Halford, que nessa turnê “Epitaph”, trás o seu adeus aos palcos, após anos de serviços prestados ao rock.
 
Os fãs puderam vibrar com um resumo da obra musical da banda, a partir da execução de clássicos retirados dos principais álbuns do Judas. Logo de saída, uma sequência ininterrupta trouxe “Rapid Fire”, “Metal Gods” e “Heading Out To The Highway”, sempre com a exibição, no fundo do palco, de imagens que reproduziam as capas dos álbuns. O momento mais lírico, porém não menos pesado, ficou com a bela “Diamonds na Rust”, num arranjo renovado e arrebatador. 



Em “Night Crawler”, “Turbo Lover” e “The Green Manalishi” a plateia, entusiasmada com a performance dos ingleses, cantou junto. Mas foi mesmo em “Breaking the Law” que essa participação chegou ao seu nível máximo, quando Rob Halford virou o pedestal e pôs o microfone na direção do público que, do início ao fim, regido pelo vocalista, cantou esse que é um dos hinos do Judas Priest, um dos precursores da New Wave of British Heavy Metal, na década de 80.

Num show praticamente perfeito, o único incidente a ser destacado ocorreu no início da música “Hell Bent For Leather”, quando o vocalista Halford, ao entrar no palco em sua famosa Harley Davidson, perdeu o equilíbrio ao descer e caiu da motocicleta. Cena que, dada a empolgação da plateia, num primeiro momento, talvez tenha passado em branco a alguns dos presentes ao ginásio, mas que foi contornada quando, com o auxílio dos companheiros, conseguiu se erguer, continuando o show como se nada houvesse acontecido. Prova do mais puro profissionalismo, tanto que mereceu o aplauso de todos.


















Por fim, vale destacar também a performance do novo guitarrista da banda, o talentosíssimo Richie Faulkner. Muito aplaudido, em vários momentos do show, mostrou técnica e habilidade nos solos que executou. Grande revelação o cara. Me lembrou muito o estilo de outro virtuose da guitarra: o saudoso Randy Rhoads.

O show se encerrou, apoteoticamente, com “Living after midnight” e seu refrão pegajoso. Enfim, o Judas fechou sua passagem pelo Brasil com um grande espetáculo. Valeu cada real do ingresso, desde já entrando para nossa lista dos candidatos a melhor show do ano.





Fotos e vídeos: Rogério Rocha





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas