Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

quinta-feira, 29 de março de 2018

"Símbolo" (por Rogério Rocha)

Rogério Rocha
Símbolo


A vida dentro da vida
guardada n’alma,
sorvida da aurora
das nossas alegrias.

O símbolo dentro do símbolo.
A guarda do sagrado,
O império dos segredos,
Instado a dizer-nos
No não dito, no não visto,
No sim, no não, no íntimo.

Somos sonho, somos signo,
Somos tempo, somos símbolo.

O vermelho do sangue
Na pele brotando,
A ferida nefasta
Nascida de um parto,
De um grito, de um fato.
Um sinal que emite sentidos.
Um som inaudível, a princípio,
E no princípio, ruídos ao fundo.

A voz da memória, o passado em jogo,
O sinal do princípio no crepitar do fogo.
No mais antigo do antigo a figura perene,
A dizer, no sempre, o que queremos.

A esfinge nos atinge: Kerub.

O mistério de ser gente,
De ser corpo, de ser homem.
O olhar que nos fala,
O corpo que nos fala,
O silêncio que nos fala,
A paixão que nos consome.

A gramática do ser
Abundante, a mostrar,
Apontar, consignar,
Uma physis constante.

Somos sonho, somos signo,
Somos tempo e somos símbolo.
Ainda assim, nos importa
Saber ler nos símbolos
A linguagem dos túmulos,
A voz dos narradores,
A letra dos pergaminhos,
O som dos arredores.

Fragmentos de um tempo
Adormecido.

P.S.: Poema do livro "Travessias" (no prelo)

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas