Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

NASA declara que existem 4.700 asteroides potencialmente perigosos para a Terra



JC - Jornal Ciência

Cerca de 4.700 asteroides do sistema solar poderiam ser perigosos para a vida na Terra, de acordo com astrônomos da NASA. 

A pesquisa contou com o Wide-fiel Infrared Survey Explorer (Wise) para descobrir que o número de asteroides potencialmente perigosos em nossa vizinhança é muito maior do que imaginávamos. 

Asteroides potencialmente perigosos (também chamados de PHAs pela NASA) estão próximos da Terra em cerca de 8 milhões de quilômetros de distância, sendo grandes o suficiente para atravessar a atmosfera do nosso planeta sem serem deteriorados. 

“Eles causariam danos a nível regional ou talvez em maior escala”, declarou um porta-voz da Agência Especial Norte Americana. 

A sonda Wise Spacecraft utilizou luz infravermelha para digitalizar o céu duas vezes em 2011, catalogando centenas de milhares de objetos. Dos 4.700 asteroides encontrados, cerca de 1.500 possuem diâmetros maiores que 100 metros. Até agora, os astrônomos ao redor do mundo descobriram cerca de 20% dos asteroides estimados que podem afetar o planeta. 

Segundo o estudo existem duas vezes mais asteroides do que se pensava em um local chamado de “inclinação”, região de baixa órbita, que estariam mais alinhados com o plano orbital da Terra. Isso os torna mais propensos a atingirem o planeta, mas também os tornam mais fáceis de serem acessados ou visitados por sondas em missões tripuladas. 

Os resultados demonstram também que muitos destes asteroides tendem a ser brilhantes. Isso revela algo sobre sua composição, pois eles possuem granito ou metais. Esta informação é importante para avaliar a rapidez com que um asteroide pode queimar ao entrar na atmosfera da Terra se algum deles nos atingisse. 

“Nós temos muito mais para encontrar e vai levar um certo tempo e esforços concentrados para descobertas nas próximas décadas para descobrir alguns que poderiam causar sérios danos ao nosso planeta, o que nos levará a missões possíveis no futuro”, declarou Lindley Johnson, executivo do programa da NASA. 

A próxima missão tripulada da NASA será para um asteroide. O presidente Barack Obama ordenou que a agência envie astronautas para algum pedaço de rocha flutuante até 2025.


Fonte: Jornal Ciência/Região Noroeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas