Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Kodak, símbolo do capitalismo americano, pede concordata nos Estados Unidos



Nova York - A empresa fotográfica Eastman Kodak anunciou nesta quinta-feira (19) em um comunicado que foi colocada sob a proteção da lei americana de quebras, assim como suas filiais norte-americanas.

A empresa, que negociou créditos no valor de 950 milhões de dólares com o banco Citigroup, "considera que tem liquidez suficiente para operar sua atividade sob o capítulo 11 (da lei de quebras) e prover produtos e serviços aos seus clientes como é habitual", indica o comunicado.

As filiais do grupo fora dos Estados Unidos não estão incluídas na demanda no âmbito do capítulo 11, que foi apresentada em um tribunal de Nova York, disse a Kodak.

Com sede em Rochester (estado de Nova York), a empresa, com mais de um século e que foi símbolo do capitalismo americano, não parou de declinar desde o advento da tecnologia digital.

Desde 2003, a Kodak fechou 13 fábricas e 130 laboratórios e já suprimiu 47 mil postos de trabalho, lembrou Antonio Pérez, presidente do grupo citado no comunicado.


Fonte: Correioweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas