Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

quinta-feira, 10 de julho de 2014

O legado das coberturas esportivas (por Nelson Hoineff)

Nelson Hoinnef


Segundo seu biógrafo Bob Stam, foi Jean-Luc Godard quem disse que o único avanço havido em televisão foram as coberturas esportivas. Principal articulador da Nouvelle Vague e ainda hoje um dos mais instigantes cineastas do mundo, Godard, se disse mesmo isso, não tinha ideia do quanto estaria certo nos anos seguintes. O avanço das coberturas esportivas sobre tudo o que se faz em televisão é visível há muito tempo para qualquer um que observe o meio, em cada uma de suas telas, e tornou-se mais claro ainda durante a Copa do Mundo deste ano. Ele ajuda a entender também uma boa parte do fracasso da televisão contemporânea em se comunicar com os novos públicos e, de uma maneira muito especial, da sua insistência de olhar de maneira estúpida para as suas plateias. Outra vez, a tecnologia se antecipa às mudanças narrativas no veículo e estimula o público a desejar vivenciar experiências que o meio quase nunca está apto a acompanhar.

Embora ainda não existam pesquisas publicadas sobre o comportamento do telespectador brasileiro nesta Copa do Mundo, basta ter percorrido alguns lugares públicos, como bares e afins, durante os jogos, para perceber a hegemonia da televisão fechada nos monitores colocados à disposição do público nesses locais. Duas redes abertas – Globo e Band – transmitiram as partidas ao lado de várias redes fechadas – os canais SporTV, Fox Sports, ESPN etc. O sinal dos jogos era o mesmo, gerado pela FIFA. Como se explica, então, a presença mais expressiva de uma rede fechada – especialmente da SporTV – sobre a TV aberta de tão maior tradição, nos receptores colocados em espaços públicos?
A resposta mais provável é que os gestores desses espaços – os gerentes de bares e restaurantes – estão percebendo mais rapidamente do que as redes os novos patamares de exigência no conteúdo do que é oferecido pela televisão, em particular na relação que ela procura definir com sua plateia. A SporTV, ela mesma, inaugurou uma era – logo seguida por outras redes esportivas – de respeito ao seu público, com menos artificialismo e, em consequência, menos tolice. O público, que só agora gera padrões de crescimento expressivos na TV por assinatura, começa a entender que é possível ser tratado com respeito – até porque respeito, como se sabe, é bom e todo mundo gosta.

 

A possibilidade de se ter as mesmas imagens transmitidas ao mesmo tempo em televisão aberta e fechada – melhor dizendo, a generalização dessa possibilidade – é uma experiência bastante nova para muitos brasileiros. A classe C acaba de desembarcar na TV por assinatura, chegou lá em 2013, quando essas plataformas já eram oferecidas no país havia 21 anos. A TV por assinatura é coisa novíssima, portanto, para 13 milhões de domicílios brasileiros que hoje compõem a base que lhe dá sustentação (falo em base de sustentação mas, como diria Moreira da Silva, é sem má intenção). Para esse público, até então, a TV aberta e a TV por assinatura eram repositórios de espaços diferentes: sofisticação vs. banalidade; chatice vs. excitação; carência de recursos vs. riqueza. Não é bem assim, não é nada assim, mas a transmissão simultânea de uma Copa do Mundo realizada dentro de casa pode forçar decisões de consumo que têm que se amparar em alguns parâmetros.

Ao vivo

Sabemos que na eventualidade de uma ausência temporária de sinal ou em eventos como a propaganda eleitoral gratuita, a Globo permanece líder de audiência, porque ela é de fato o default. Mas quando o conteúdo que acompanha o mesmo sinal é diferente, o que o público pode esperar de sua televisão é também diferente. No frigir dos ovos, existe algo maior ainda do que isso: esse público pode opinar, e sua urna é o controle remoto.

O que estamos testemunhando, em grande escala, é o espectador brasileiro dizendo que não gostaria mais de ser sistematicamente tratado como idiota – porque ele não é tão idiota quanto pensa a televisão aberta. É ele, por exemplo, manifestando sua rejeição pela maneira pouco natural e inspiradora de um estilo de Galvão Bueno – coisa que o público vem fazendo em sites de relacionamento, mas que não pode fazer no seu próprio televisor, porque abandonar o conteúdo que deseja seria dar um tiro no pé. Dizendo, da mesma forma, que não se identifica mais com uma transmissão tão popular e antiga quanto o que a Band está lhe propondo.

E aí está a primeira chave para a compreensão do que está acontecendo: esses modelos de transmissão esportiva são do tempo em que a captação e processamento das imagens estavam num patamar muito, mas muito inferior ao que estão hoje. As imagens evoluíram, enquanto as transmissões ficaram estagnadas. E ficaram estagnadas por quê? Porque os apresentadores que seguem este modelo não deram pulinhos pro ar, não se tornaram onipresentes como as câmeras e velozes como o processamento de suas imagens? Não – porque isso é atributo de câmeras e chips, não de narradores.

As transmissões ficaram estagnadas porque continuaram tratando seu público como um bando de seres inferiores, incapazes de alcançar o Olimpo dos que dominam porque detêm o conhecimento. Bem pior do que isso, detêm os simples instrumentos de transmissão, coisa que, como sabemos, na era da internet tem importância cada vez mais discutível.

A relativização da importância da massificação tem um papel relevante nisso. É muito recente a percepção de que não é necessário ser gado para se sentir parte integrante da sociedade. Essa percepção, como se sabe, aumenta na medida inversa da faixa etária do espectador. A internet lhe oferece um conhecimento – inclusive sobre o jogo que está vendo – impensável há cinco ou dez anos, enquanto a qualidade da captação das imagens – hoje são cerca de 40 câmeras ativas em cada estádio – e em especial o seu processamento – replays e ângulos alternativos para o mesmo evento não dependem mais do olho humano – isso sim, é coisa nova.

As transmissões esportivas estão antecipando os próximos anos da televisão aberta – anos em que o meio voltará a ser totalmente ao vivo, como nos seus anos dourados, e, no caso brasileiro, possibilitando ao espectador escolher a maneira como ele gostaria de ser tratado – como um débil mental ou um indivíduo capaz de pensar. O espectador está respondendo a essa questão.

Igual para igual

No Madison Square Garden e em outras arenas americanas, o ataque de uma equipe é acompanhado por uma parafernália de sons, que indicam ao espectador nas arquibancadas o momento de torcer, vibrar e se emocionar. A origem disso está na música incidental do cinema, que indica ao espectador todos os estágios desejáveis de sua emoção, do suspense à indignação, do choro à euforia. A televisão fez a mais tenebrosa adaptação que se poderia imaginar do som incidental, criando no seu extremo as claps eletrônicas que simplesmente dizem ao espectador quando ele deve rir. O público de sitcoms sabe que o momento de rir é determinado por seres eletrônicos que riem naquele momento, ao nível em que a ausência eventual de uma clap em face do mesmo estímulo (isto é, da mesma piada ou da mesma situação) inibe, dificulta e literalmente impede o riso do espectador – porque não é isso o que a televisão espera dele naquele momento.

É difícil dizer aos mais jovens a hora em que eles devem rir de uma piada, assim como é insano esperar isso de plateias esportivas em eventos que, como o futebol, foram espetacularizados em outra direção. Não há instrumentos eletrônicos que façam um flamenguista típico torcer ou deixar de fazê-lo durante um ataque do Flamengo no Maracanã, assim como num esporte iconizado pela cultura local, como o futebol, não se deve esperar um controle das emoções do espectador pela televisão.

Houve uma pouco inteligente tentativa neste sentido, há alguns anos, quando a Globo passou a apresentar os jogos de futebol de uma maneira bem análoga a que a televisão norte-americana apresentava as lutas do UFC. Mas lutador de MMA é uma coisa, jogador de futebol é outra, como o espectador brasileiro se encarregou de responder à malfadada tentativa. As tecnologias que vêm transformando as transmissões esportivas – e que ganharam notável visibilidade durante a Copa do Mundo de 2014 no Brasil – exigem novos modelos de transmissão, e isso começa na maneira de se olhar o espectador. Ele tem toda a informação que se possa imaginar sobre o espetáculo, está conectado na segunda tela e não é mais subserviente à arrogância dos apresentadores como eram seus avós. Quer ser tratado com respeito e está mostrando isso. A forma de se dirigir a ele não tem origem nos velhos tempos, mas nos tempos que vêm pela frente. Serenidade, educação e, sobretudo, horizontalidade. Esses elementos foram propostos justamente pelas redes esportivas e estão começando a dar frutos agora. Quem está lá em cima é a câmera. O conteúdo está aqui em baixo, sendo apresentado de igual para igual para a audiência – ou a audiência simplesmente diz que não quer nada com ele, e vai procurar quem lhe trata com dignidade.

***
Nelson Hoineff é jornalista, produtor e diretor de televisão
Fonte: Observatório da Imprensa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas