Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

SINESTESIA: O DOM DE MISTURAR OS SENTIDOS


Qual a cor dos números? Qual o gosto de um som grave? Essas perguntas podem causar estranheza na maioria das pessoas, mas a resposta está na ponta da língua de poucas: os sinestetas. Se você não cabulou muitas aulas de português deve ser lembrar que 'sinestesia' é uma figura de linguagem para mistura de sentidos. Ao falarmos do 'som doce do violão' estamos usando a sinestesia, pois o som em si não tem gosto. Apenas enganamos nosso cérebro entendendo um som doce à um som suave.
Na ciência, porém, sinestesia é um distúrbio neurológico que faz o portador confundir literalmente os 5 sentidos. Os portadores, estimados como 1 em cada 300 pessoas, associam grafias (como letras) a gostos, sons a cores e gostos a sensações táteis. Colocando em exemplos práticos, uma mulher dizia sentir frio ao tomar vinho, um homem sempre associava cores a letras e uma moça via a chuva como gotas coloridas. Obviamente, as sensações variam entre os portadores, mas a condição acaba propiciando um potencial acima da média de memorização e de criatividade. A capacidade de associar os 5 sentidos ajudam bastante nessas habilidades, e por isso muitos sinestetas acabam se destacando em suas áreas de atuação. Vamos conhecer alguns:

Elizabeth Sulston

A mulher suíça de 27 anos é estimulada principalmente pela audição. Segundo os médicos, ela associa principalmente a audição ao paladar. "Quando Elizabeth ouve uma determinada peça musical, ela automaticamente experimenta um sabor na língua", explica a especialista Michaela Esslen. Elizabeth é estudante musical na Universidade de Zurique, e suas habilidades deram a ela o não-ortodoxo emprego de afinador humano: ela consegue perceber minuciosamente a afinação dos instrumentos da orquestra graças a sua sinestesia. Uma das desvantagens, segundo ela, é se sentir só por não ter alguém para compartilhar as experiências.

Eddie Van Halen

O guitarrista holandês é considerado um dos melhores do mundo. Precisamente o 8º melhor de todos os tempos, segundo a revista Rolling Stones. Quando se mudou para os EUA, Eddie fundou a banda Van Halen, onde começou a tocar bateria, assumindo depois a guitarra. Seu progresso no instrumento foi impressionante, tendo grande ajuda de sua habilidade de 'ver cores nas notas'. Eddie colaborou com muitos músicos famosos, tendo inclusive composto o riff de guitarra para a música 'Beat It' do Michael Jackson.

Duke Ellington

Um dos mais influentes compositores de Jazz da primeira metade do século XX, o artista apelidado de The Duke tinha grande sucesso em liderar orquestras. Sucesso garantido pelo óbvio talento mas, também, pelo dom de misturar sons e cores, dando-lhe um amplo vocabulário musical. "Eu ouço uma nota tocada por um dos companheiros da banda e é uma cor. Ouço a mesma nota tocada por outra pessoa e é uma cor diferente. Se Harry Carney está tocando, 'ré' é escuro serapilheira azuis. Se Johnny Hodges estiver tocando, 'sol' torna-se de cetim azul claro", afirmou o músico sobre sua facilidade de orquestrar.

Richard Feynman

O físico americano tinha grande facilidade com números e ciências desde criança. Ganhador de um Nobel, o professor introduziu importantes conceitos científicos como a nanotecnologia, e chegou a viajar para o Brasil, onde fez um discurso criticando os métodos mnemônicos. Ele, porém, fazia uso involuntário destes métodos, pois sofria de sinestesia. "Quando escrevo uma equação na lousa vejo os números e as letras de cor diferente. E me pergunto: que diabos meus alunos vêem?", se perguntava.
Fonte: medaumla.wordpress.com
.

2 comentários:

  1. O nosso cérebro tem mistérios fascinantes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso mesmo, Arlete! O cérebro é uma máquina fascinante e ainda pouco explorada em seus potenciais. Grande abraço e obrigado por nos prestigiar.

      Excluir

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas