Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

domingo, 17 de maio de 2015

FUTURO DO PRETÉRITO OU OS ANOS 2000 IMAGINADOS EM 1900

1900, 2000, futuro, passado, tecnologia
O futuro do pretérito é um tempo verbal da Língua Portuguesa. Indica ações hipotéticas, incertas ou irreais. Em 1900, o futuro era incerto, mas com um leque aberto de novas possibilidades. Através de alguns postais daquela época, podemos perceber mais que o futuro, ou o que todos esperavam dele: vemos o tempo contemporâneo aos desenhos.
Para se entender a visão de futuro ilustrada nestes cartões postais, é preciso voltar ao passado. A passagem do século XVIII para o XIX se dá sob o signo mágico da Revolução Industrial. A relação das pessoas com a produção de bens se modificou. Se antes o artesão colhia a matéria-prima, desenvolvia o produto, comercializava e obtinha algum lucro, após a Revolução Industrial isso já não existia: todos passaram a ser consumidores. O trabalho passou de uma ferramenta para a sobrevivência física a uma ferramenta para a existência plena.
Dentro desse quadro histórico, temos duas mudanças que foram essenciais para que esses postais fossem desenhados imaginando um futuro tão majestoso: o aparato técnico surgido nessa época e a distinção entre o momento do trabalho e o do lazer. Para os contemporâneos de 1900, o ar seria um “território colonizado” e as distâncias se encurtariam.
1900, 2000, futuro, passado, tecnologia
1900, 2000, futuro, passado, tecnologia
Uma das preocupações mais evidentes quando se examina esses postais diz respeito aos transportes. A grande maioria deles imaginava que no futuro todos teríamos a possibilidade de voar. Ajudados por máquinas diversas: balões que nos proporcionariam andar sobre a água, trens que carregariam as cidades de um lugar ao outro, veículos individuais de voo, um trem submarino, protótipos do que mais tarde seriam os patins, enfim, a possibilidade de uma locomoção facilitada era uma ideia que definitivamente encantava.
1900, 2000, futuro, passado, tecnologia
1900, 2000, futuro, passado, tecnologia
1900, 2000, futuro, passado, tecnologia
1900, 2000, futuro, passado, tecnologia
A preocupação com a segurança aumentava junto com o aumento do poder de posse. Máquinas capazes de deter tempestades, uma espécie de redoma para proteger a cidade das intempéries, um aparelho de raios-X que facilitaria o trabalho da polícia e veículos de guerra eram algumas das inovações pensadas para aumentar a segurança.
1900, 2000, futuro, passado, tecnologia
1900, 2000, futuro, passado, tecnologia
1900, 2000, futuro, passado, tecnologia
No campo do lazer, já se começava a pensar na indústria cultural de massa. Algumas ilustrações mostram o desejo de aliar o conforto da própria casa com o divertimento oferecido pela cidade: a possibilidade de ouvir as notícias do mundo através de uma espécie de gramofone, ouvir uma apresentação de ópera confortavelmente deitada no seu divã, e em alguns casos a hipótese de também ver essa apresentação.
A vida urbana aproximou as pessoas. Apesar de o capitalismo ser um regime que se baseia no individualismo, ele não teve força para lutar com o que é intrínseco ao ser humano: ser social. Tudo o que sempre se quis foi diminuir fronteiras, aproximar pessoas, lugares e coisas. O que será que diriam os nativos de 1900 das nossas redes sociais?
1900, 2000, futuro, passado, tecnologia
1900, 2000, futuro, passado, tecnologia
1900, 2000, futuro, passado, tecnologia
1900, 2000, futuro, passado, tecnologia
1900, 2000, futuro, passado, tecnologia
1900, 2000, futuro, passado, tecnologia
1900, 2000, futuro, passado, tecnologia
Fonte:
© obvious: http://obviousmag.org/archives/2011/10/futuro_do_preterito_ou_os_anos_2000_imaginados_em_1900.html#ixzz3aRZL34zX 
Follow us: @obvious on Twitter | obviousmagazine on Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas