Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

sábado, 28 de novembro de 2015

Sobre a vida e a morte de Nauro Machado





Tive a honra de participar - em meados dos anos 2000 - de um encontro (na verdade um sarau) com jovens poetas maranhenses, levado pelas mãos de um amigo (também escritor), ocasião em que esteve presente o poeta Nauro Machado (foi quando fui apresentado a ele) e onde pude ler e mostrar-lhe uma de minhas poesias. À época, e nunca me esquecerei, esse grande mestre me honrou com sua generosidade ao elogiar o poema que eu acabara de ler. 

Além dessa, por várias outras vezes encontrei-o a andar pela cidade, geralmente pela parte antiga de São Luís, seu centro histórico. Era uma criatura familiar àquele sítio, confundindo-se mesmo com suas ruas, com as praças, botecos, etc. Ao saudá-lo, como de praxe, me aprazia ouvi-lo responder, de forma sempre carinhosa: "Meu príncipe!" (que era como ele geralmente tratava as pessoas) ou o tradicional "Meu poeta!"

Nauro Machado foi, em minha opinião, o maior poeta maranhense de todos os tempos. Maior até que Gonçalves Dias e Ferreira Gullar (em que pese estes dois terem alcançado reconhecimento e exposição tremendamente maior do que a alcançada por Nauro). 

E falo isso (como sempre falei) não por demagogia ou pelo fato de não o termos mais dentre nós. Falo isso pela densidade, riqueza estilística, pela intensidade e beleza de tudo o que ele produziu. Era um arquiteto das palavras. Um demiurgo da poesia: construindo e desconstruindo coisas e mundos o tempo todo. Sua obra é única, singular (e essencial), tendo alcançado, segundo penso, um patamar de burilamento ontológico incomum. Mas, infelizmente, a maior parte dos nossos conterrâneos pouco ou nada sabe sobre quem era e o teor e importância da obra desse homem, que foi traduzido para o francês, inglês e alemão, escreveu 37 livros e tem ainda obras inéditas que, espero, possam chegar até as livrarias futuramente.

A construção de seus versos, a densidade, a intensidade, o peso dramático, existencial, profético, vivencial, que transborda dos poemas de Nauro Machado, traduzem uma identidade perfeita entre o autor, a vida e a estética do fazer poético. Por isso e muito mais é que esse homem (in)comum, que nos deixou esta madrugada, e que carregava a cidade dentro e fora de si mesmo,  merece ser, por todos os que amam a poesia, eternamente reverenciado. Obrigado, mestre Nauro! Obrigado, meu príncipe! Obrigado, meu poeta!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas