Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Grandes Marcas: Chandon


Os espumantes (como são chamados os champanhes fora da França) CHANDON refletem fielmente a filosofia de elaboração, baseada há mais de 260 anos em aprimorar a produção de uvas e estimular a dedicação, paixão e criatividade de enólogos da Maison Moët & Chandon. Convidados indispensáveis em festas e celebrações, os espumantes CHANDON criam uma maravilhosa experiência com a chancela de uma das marcas mais tradicionais no mundo quando o assunto é vinho cheio de borbulhas. 

A história 
Tudo começou em meados da década de 1950 quando a Maison Moët & Chandon, tradicional produtora de champanhes desde 1743, aventou a possibilidade de instalar, pela primeira vez em sua história, adegas e vinhedos fora da França. Renaud Poirier, o então experiente enólogo da empresa, percorreu diferentes partes da América do Sul em busca de solo e condições climáticas ideais para a produção de vinhos espumantes. O local escolhido foi a Argentina. Finalmente em 1959 foi determinado que o local mais adequado para este projeto seria a província de Mendoza, na cidade de Agrelo, encravada no meio da Cordilheira dos Andes. Uma das razões para a escolha foi o clima seco e ensolarado, além das terras de boa qualidade, ideal para essa cultura. Era o surgimento da BODEGAS CHANDON, que desde o início teve total assessoria dos técnicos da Moët & Chandon, na França. No ano seguinte a empresa, que já iniciou suas atividades com produção superior a 100.000 garrafas por ano, lançou o espumante M. CHANDON no mercado argentino, que logo depois adotaria apenas o nome CHANDON.


Em 1973, a Maison Moët & Chandon decidiu apostar no potencial vitivinícola brasileiro e instalar a segunda unidade da CHANDON na pequena cidade de Garibaldi, no Rio Grande do Sul. Afinal, a cidade da Serra Gaúcha tem um microclima temperado e de noites frescas, o que possibilita a lenta maturação e desenvolvimento de bons níveis de açúcar e de acidez da uva. Estas são características que, mais tarde, darão origem à fineza aromática e ao frescor do espumante. A empresa plantou vinhedos e construiu uma funcional vinícola, cujo objetivo era produzir vinhos espumantes naturais com a mesma filosofia da renomeada marca francesa: cultivar uvas com a máxima qualidade possível e incentivar de forma constante o aprimoramento técnico de seus enólogos. Os primeiros espumantes foram lançados no mercado brasileiro em 1978. A qualidade dos espumantes foi logo reconhecida, o que provocou uma revolução positiva na região da Serra Gaúcha, pois os espumantes CHANDON se tornaram referência para as demais vinícolas brasileiras interessadas em elaborar o vinho das borbulhas.


Foi ainda em 1978 que a CHANDON lançou dois vinhos maduros, um branco e um tinto, que por muitos anos conseguiram manter o sabor e a qualidade inalterados graças ao processo de assemblage (definido como sendo a mescla dos diferentes vinhos utilizados na produção do vinho-base). Porém, os anos subsequentes provaram que todo o vinho que a CHANDON produzia saía melhor se fosse elaborado para dar origem aos espumantes. Então, há mais de uma década, em 1998, os vinhos brancos e tintos não foram mais elaborados, e a CHANDON passou a ser a maior produtora de espumantes do mercado brasileiro. Foi também em 1998 que a marca lançou a reserva especial, EXCELLENCE CUVÉE PRESTIGE (considerado o melhor espumante natural das Américas, é elaborado com a combinação das uvas Chardonnay e Pinot Noir, selecionadas exclusivamente nas melhores quadras dos vinhedos, transformando-se no mais sofisticado dos vinhos) e o inovador CHANDON PASSION (suave e delicado, traz toda a expressão aromática de frutos tropicais das uvas Malvasia de Cândia e Moscato Canelli que, associadas à Pinot Noir, conferem à este sensual espumante sutis tons rosados).


Há poucos anos atrás, a empresa francesa resolveu investir pesado para transformar a CHANDON em uma marca de luxo no mercado brasileiro. Apresentou uma nova identidade visual, lançou campanhas publicitárias emocionais, elevou o preço dos produtos em 15%, escolheu pontos de venda mais selecionados (como por exemplo, Duty Free dos aeroportos) e bancou muitas festas regadas aos seus excepcionais espumantes. Lançou também, em 2004, uma série numerada de 1.973 garrafas da versão Excellence do espumante com preço três vezes maior do que o normal, sendo a número 1 entregue para o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva.


Além disso, em 2007, ao consolidar a CHANDON como a grife do espumante no Brasil, introduziu no mercado o CHANDON BRUT ROSÉ (reluzente e sedutoramente cor-de-rosa, traz requintados aromas com toques de morango e cereja assim como um envolvente paladar fino e aveludado com muito equilíbrio entre as uvas Pinot Noir, Chardonnay e Riesling Itálico). Ainda faz parte do portfólio da marca o CHANDON RÉSERVE BRUT (resultado da harmonização das melhores uvas Chardonnay, Pinot Noir e Riesling Itálico, cujo resultado revela uma grande sutileza aromática lembrando frutas cítricas, maçã verde e frutas secas em um paladar perfeitamente equilibrado), CHANDON RICHE DEMI-SEC (levemente suave, harmoniza o frescor do Riesling Itálico com os aromas frutados do Chardonnay e cresce em complexidade e maciez com a típica estrutura do Pinot Noir), CHANDON EXCELLENCE ROSÉ (caracteriza-se por sua cor amarelo-dourada com reflexos verdes, espuma abundante e persistente com formação de um amplo colar no contorno da taça. As borbulhas são ativas, muito finas e numerosas) e CHANDON BABY DISCO (acompanha a agilidade e mobilidade dos novos tempos, em formato pronto para beber, dispensa formalidades e vai ao encontro do ritmo de seus consumidores. Foi lançada em 2010). Os espumantes CHANDON são oferecidos em várias tamanhos: Baby (187 ml), introduzida em 2000; Meia Garrafa (375 ml); Garrafa (750 ml); Magnum (1,5 litros) e Jeroboam (3 litros).


Foi também em 1973 que a CHANDON instalou sua terceira unidade. O local escolhido foi a bela região californiana de Napa Valley, localizada a cerca de 90 minutos de carro de San Francisco, e famosa por seus aromas e vinhos. A marca se tornou a primeira vinícola francesa a produzir espumantes nesta região da Califórnia. Em 1986 foi a vez das terras australianas serem escolhidas para abrigar a quarta unidade da CHANDON para produção de vinhos e espumantes. A região foi Yarra Valley, próxima a cidade de Melbourne. Há pouco tempo a CHANDON americana iniciou o lançamento de uma edição especial de verão de seus espumantes. Começou em 2012, com a edição batizada de American-Style, cuja garrafa era coberta por um rótulo termoencolhível branco, com listras azuis e vermelhas. Já a subsidiária argentina lançou mais recentemente um espumante para ser apreciado no verão: CHANDON DÉLICE, que pode ser degustado puro, apenas com gelo ou com gelo e folhas de manjericão, deixando-o mais fresco. Esse espumante é fabricado com cortes das uvas Chardonnay, Pinot Noir, Petit Manseng e Semillon colhido tardiamente.


A semana Chandon 
A marca, especialmente no Brasil, sempre investiu muito em marketing. E um dos resultados deste investimento é chamado CHANDON WEEK, um projeto que viaja cidades de norte a sul do Brasil divulgando as variedades de espumantes da marca por uma semana. Entre maio e novembro, nos restaurantes que participam do projeto, os consumidores têm uma excelente oportunidade para conhecer as características de cada espumante, acompanhando uma refeição ou mesmo em um happy hour. O projeto oferece uma experiência completa aos diferentes sabores e aromas de CHANDON.


A identidade visual 
Na Argentina e no Brasil a identidade visual da marca pode ser aplicada de duas formas diferente. Enquanto a primeira é mais utilizada no mercado brasileiro, a segunda é utilizada na Argentina.


Já nos Estados Unidos e Austrália, apesar de manter a “estrela”, a tipografia de letra utilizada é mais encorpada.

Os slogans 
A vida borbulha com Chandon. 
Life Needs Bubbles.


Dados corporativos 
● Origem: França 
● Lançamento: 1959 
● Criador: Maison Moët & Chandon 
● Sede mundial: Épernay, França 
● Proprietário da marca: LVMH Moët Hennessy • Louis Vuitton S.A. 
● Capital aberto: Não 
● CEO & Presidente: Jean-Guillaume Prats 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 30 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 800 
● Segmento: Bebidas alcoólicas 
● Principais produtos: Espumantes e vinhos 
● Concorrentes diretos: Salton, Aurora, Casa Valduga, Miolo, Vallontano, Freixenet e Codorníu 
● Ícones: A garrafa Baby 
● Slogan: A vida borbulha com Chandon. 
● Website: www.chandon.com.br 

A marca no mundo 
Hoje em dia a CHANDON, que pertence a Moët & Chandon, que por sua vez faz parte do conglomerado de luxo LVMH Moët Hennessy • Louis Vuitton, produz seus espumantes em quatro regiões, todas conhecidas pelos seus terroirs excepcionais: Argentina (Mendoza), Brasil (Garibaldi), Estados Unidos (Napa Valley) e Austrália (Yarra Valley). Seus espumantes são comercializados em mais de 30 países ao redor do mundo. Todos os anos a CHANDON vende, somente no Brasil, mais de 3.5 milhões de garrafas de seus espumantes. Já na Argentina e Uruguai a CHANDON detém mais de 50% de participação de mercado. A CHANDON de Mendoza abastece o mercado argentino e também exporta sua produção para outros países. Já a CHANDON do Brasil, abastece somente o mercado nacional. Os espumantes produzidos na Argentina não são enviados para o Brasil para não concorrer com a fábrica daqui e vice-versa. Na Austrália e nos Estados Unidos a CHANDON produz, além de espumantes, vinhos de excepcional qualidade. 

Você sabia? 
A Casa Chandon, localizada na cidade de Garibaldi, tem um moderno centro de visitas, onde é possível conhecer sua linha de produtos e desfrutar de uma vista privilegiada de seus vinhedos. Em seguida, os visitantes são convidados pelos enólogos da adega a descobrir a arte de elaborar espumantes naturais de excelência e, participando de degustações orientadas, a despertar e a compartilhar a paixão pelas borbulhas. 
Você sabe a diferença entre champanhe e espumante? O primeiro é uma denominação de origem imposta pela União Europeia, ou seja, só os vinhos produzidos na região de Champagne (na França) podem ter esse nome. Isso acontece também com os vinhos Asti (Itália) e os Cava (Espanha). Já espumante é o nome genérico da bebida. 

As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (BusinessWeek, Isto é Dinheiro, Época Negócios e Prazeres da Mesa), jornais (Valor Econômico e Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Mundo Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 
Publicado originalmente em: Mundo das Marcas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas