Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

terça-feira, 2 de julho de 2013

Governo peruano investiga destruição de pirâmide construída há 5 mil anos

Responsáveis pelo crime teriam vínculo com empresas do setor imobiliário, segundo Ministério da Cultura local
Uma pirâmide de seis metros de altura e construída há cerca de 5 mil anos foi destruída no último sábado (29/06) na região metropolitana de Lima, no Peru. O fato foi denunciado nesta segunda-feira (01/07) pelo Ministério da Cultura do país, que relacionou o crime com empresas do setor imobiliário.

“No sábado 29 de junho, às 4h30 da tarde, um grupo de delinquentes a bordo de uma retroescavadeira entrou no Complexo Arqueológico El Paraíso e destruiu, desde a sua base, uma pirâmide que tinha seis metros de altura e 2.500 metros quadrados de superfície”, explica a nota do governo peruano.

Reprodução/Ministério da Cultura do Peru
Área onde pirâmide estava localizada ficou cheia de lixo após a destruição

De acordo com o comunicado os danos são “irreparáveis”. Desde dezembro de 2012, arqueólogos trabalhavam no monumento. As primeiras descobertas desse grupo de pesquisa datam de fevereiro deste ano.

Após a destruição da pirâmide, os responsáveis pela ação jogaram fogo no espaço ocupado pelo templo e justificaram que a medida tinha como objetivo a limpeza do local. Além disso, eles planejavam destruir outros monumentos históricos da mesma região. No entanto, a policia peruana chegou antes que isso fosse possível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas