Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

domingo, 5 de maio de 2013

Crise no cinema português provoca bancarrotas e até falta de legendas nos filmes


Como um drama, o cinema português sofre com a crise econômica na Europa. Salas fechadas e produtoras vazias são um sintoma da melancolia causada pela ausência do público.  Com os cortes efetuados pelo governo, a Cinemateca portuguesa – principal instituto público de cinema do país - teve redução drástica do seu orçamento, resultando em diversos problemas operacionais que têm afastado as pessoas do cinema.

Desde outubro, por exemplo, o instituto não tem dinheiro para colocar legendas nos filmes estrangeiros. Sem opções, optou por deixar de passar lançamentos com outros idiomas até que a situação seja normalizada.

Wikicommons
Além disso, diversas salas em Lisboa foram fechadas por falta de recursos para manutenção e projeção das películas. A direção da Cinemateca fala em “vergonha” ao comentar a falta de recursos.

[Imagem da facha da Cinemateca]

“Devido aos constrangimentos orçamentais, embora o enorme esforço para manter a qualidade e diversidade do cinema nacional, temos nos afastado dos padrões que marcaram esta atividade nas décadas anteriores.”, afirma em comunicado a direção da Cinemateca de Portugal.

Em entrevista a Opera Mundi, Nuno Gomes, um dos porta vozes da Cinemateca, confirmou que a crise é grave e os dados referentes ao público, alarmantes.

“Não tem dinheiro para nada. Nos primeiros meses de 2013, houve uma queda de mais de 200 mil pessoas na audiência dos cinemas em Portugal, em comparação com o começo de 2012. Muitos contratos de prestação de serviço não foram renovados por falta de verba. Estamos trabalhando da melhor forma para atender a população, mas a crise é absolutamente grave."

O governo de Portugal confirmou no mês de abril cortes de 800 milhões de euros para todos os serviços públicos. Os ajustes afetarão "funcionários, bens e serviços e despesas correntes" de todos os ministérios, sem exceção. As medidas foram estipuladas com a missão da Troika, grupo de credores formado por Comissão Europeia, Banco Central Europeu e FMI (Fundo Monetário Internacional).

No entanto, a crise no cinema português não se restringe ao setor público. Com recorde na taxa de desemprego, que atinge 18,2% da população do país, as pessoas deixaram de ir ao cinema para economizar. O resultado foi sentido pelas principais companhias.A empresa Socorama, segunda maior exibidora de cinema em Portugal, entrou com pedido de concordata em fevereiro, depois de fechar 66 das suas 106 salas e despedir 98 pessoas. O processo foi motivado por dívidas de cerca 12 milhões de euros.

“Muitos estão a falir. As pessoas guardam dinheiro para comprar comida. Além de estudantes e aposentados, fomos obrigados a criar carteiras de meia-entrada para desempregados. Caso contrário, o público que já é pequeno, seria menor ainda”, revela Nuno Gomez.

Agência Efe

Primeiro-ministro de Portugal, Passos Coelho discute situação do país com o presidente do Conselho Europeu, Hernan Van Rompuy


O governo português dá subsídios ao cinema nacional – tanto nas salas de exibição quanto na produção -, pois é, tradicionalmente, um roteiro tradicional da população para entretenimento.

“Assim como a educação e a saúde, nós também estamos sofrendo. Os portugueses amam cinema e é difícil ver  as salas vazias, sem público e projeções”, argumenta Nuno Gomez.

Fonte: Opera Mundi

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas