Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

sábado, 5 de janeiro de 2013

Árbitro profissional dá dicas para quem deseja ingressar na profissão



José Pelissari (Foto: Divulgação)
José Pelissari, árbitro profissional de basquete
(Foto: Divulgação)
Vida de árbitro não é fácil. É preciso ter bom condicionamento físico, conhecer a regra na ponta da língua e, em muitos casos, ter preparo mental para aguentar a pressão da torcida e dos jogadores. Para quem deseja seguir nessa profissão, José Pelissari, que atua como árbitro de basquete há mais de 30 anos, é enfático ao dizer que é preciso, acima de tudo, ter disponibilidade, principalmente aos finais de semana, período em que acontece grande parte dos jogos.

Um dos pontos importantes para o árbitro é sua condição psicológica. Pilissari, que já apitou em grandes eventos esportivos, dentre eles as Olimpíadas de Atlanta, em 1996, destaca que a preparação psicológica deve ser constante. “Não existe um jogo igual a outro. Muitas vezes visualizamos exemplos de jogos passados, em que o fator psicológico não foi bem trabalhado. Somos preparados para situações de pressão, seja dentro, ou fora da quadra. Ainda assim, momentos antes da partida, fazemos uma reflexão sobre as situações extras que poderão ocorrer durante o jogo”, conta o árbitro.

Mas que instituição procurar para se tornar um árbitro? Pelissari lembra que se o candidato pretende atuar nos campeonatos de federação, deve procurar o departamento de arbitragem da federação relativa à modalidade em que deseja trabalhar. Caso a opção seja por atuar em campeonatos não federados, como os universitários, escolares e ligas, por exemplo, deve-se procurar as entidades que administram esse tipo de jogos.

"Para se tornar um árbitro, é preciso, inicialmente, fazer um curso de formação na modalidade escolhida e ser aprovado. No caso do basquete, dependendo da função do árbitro, existe, ainda, o teste físico. Basicamente, em todas as modalidades, o árbitro vai conquistando gradativamente promoções por meio de cursos, avaliações e reciclagens. No basquete, o profissional começa a carreira como árbitro iniciante, também chamado de ‘regional’, busca sua promoção à categoria ‘nacional’ e, finalmente, ‘internacional’”, lista Pelissari, que também é formado em Educação Física. Além disso, ele fez cursos de especialização em arbitragem de basquete na Secretaria de Esporte e Turismo de São Paulo e na Federação Paulista de Basquete.

Em geral, nos cursos para a formação de árbitro, aprende-se desde as regras do jogo a outros idiomas, incluindo noções de preparação física, redação de súmulas e relatórios, e psicologia do esporte, dentre outras disciplinas. “O curso de formação dura, aproximadamente, seis meses e o candidato terá aulas sobre as regras do jogo, funções de quadra e mesa, mecânica de arbitragem, sinalização e comportamento, dentre outras coisas. Se aprovado no curso, o candidato recebe o título de ‘árbitro estagiário’ e, conforme seu desempenho, poderá, em menos de dois anos, ser promovido a árbitro ‘de primeira categoria, ou regional’. Essa nomenclatura varia conforme cada federação, ou estado”, explica.

Com relação à preparação física, ele destaca que, geralmente, os árbitros fazem duas vezes ao ano uma avaliação física, sendo o principal foco a verificação de sua resistência e o desenvolvimento muscular, incluindo a flexibilidade. “A grande maioria dos jogos é decidida nos instantes finais, em que a fadiga física ou psicológica não pode atrapalhar o posicionamento e o reflexo para tomar decisões corretas”, alerta o árbitro.


Fonte: Globo Universidade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas