Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Uma cidade filosófica


Com filósofa que atende o público, seminários e cadeiras próprias para a reflexão, pequeno município italiano atrai turistas

Michel Alecrim
Chamada.jpg
Para Platão, a cidade ideal seria governada por um filósofo, como consta em seu livro “A República”. Depois de mais de 2,3 mil anos da morte do pai da Academia grega, uma pequena cidade do sul da Itália, Corigliano d’Otranto, resolveu seguir o conselho. Desde que assumiu a prefeitura, em 2006, Ada Fiore, transformou a filosofia num elemento cotidiano da pequena vila de menos de seis mil habitantes. Frases de mestres, como Santo Agostinho, podem ser lidas nas paredes. Cadeiras em formato de livros foram instaladas nas calçadas como um convite à reflexão. Ou seja, um parque temático foi criado, incluindo recursos interativos, o que já atrai milhares de turistas. No cardápio de um dos bares, pode-se ler a pergunta “Por que nasci?”, por exemplo. O tema é levado tão a sério, que até o cargo oficial de filósofo municipal foi criado. Entre as atribuições da ocupante desse posto, Graziella Lupo, está o de prestar consultas à população.
“No início, muitos moradores acharam estranho e ficaram contra. Mas com o tempo, aceitaram”, contou Ada à ISTOÉ. Estima-se que 10% dos moradores já tenham sido atendidos nas consultas, sempre concedidas nas tardes de sexta-feira, ou participado de seminários filosóficos. “A maioria das pessoas que me procura quer tratar da dinâmica de seus relacionamentos, entre pais e filhos, casais, etc.”, diz Graziella. Na alta estação o “parque filosófico” recebeu dois mil visitantes, entre os quais, brasileiros que, segundo Ada, resolveram contar suas histórias de vida para outros visitantes. “Foi muito emocionante”, recorda. 

Enquanto refletem sobre a existência, os moradores de Corigliano não deixam, entretanto, de ter de enfrentar os problemas reais, como os danos ambientais do aterro sanitário que atende a região. Como a filosofia até hoje vem oferecendo mais perguntas do que respostas, a indagação adequada para esse e outros problemas está num dos cardápios de um café da cidade no qual se lê: “Por que os erros se repetem?”.


IEpag67_Filosofia.jpg
Fonte: IstoÉ  N° Edição:  2241 |  19.Out.12 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas