Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Marvel versus DC: os crossovers não oficiais


Muito além das parcerias que renderam grandes encontros entre seus personagens, as editoras Marvel e DC estrelaram crossovers involuntários dentro e fora de seus domínios editoriais
Por Marcus Ramone
O Mágico de Oz
Em 1975, quando se reuniram para produzir uma adaptação do clássico O Mágico de OzMarvel e DC Comics abriram um precedente e criaram a expectativa da iminente realização de um sonho que povoava a mente de qualquer leitor de gibis de super-herói. Naquela época, ver os personagens das duas grandes editoras, juntos em uma mesma HQ, parecia uma realidade impossível.
Curiosamente, anos antes, alguns quadrinhistas trataram de oferecer um aperitivo daquilo que se tornaria corriqueiro no linguajar dos fãs de quadrinhos: os crossovers. Em março de 1971, na última página da revista Aquaman # 56 (DC), o herói da Liga da Justiça criou, inadvertidamente, um grotesco monstro aquático. Foi a derradeira edição daquele gibi e o plot ficou perdido.
Entretanto, em 1974, o argumentista Steve Skeates, que havia escrito aquela história, estava trabalhando na Marvel e usou a antiga ideia em Sub-Mariner # 72, repetindo as últimas sequências dos quadrinhos de Aquaman # 56.
Thor # 207
Assim, os leitores mais atentos (e que acompanhavam as aventuras dos dois heróis) puderam identificar a mão do outro soberano dos mares na história de Namor, apertando com um dedo o botão de um dispositivo que deu vida ao monstro.
As revistas Justice League of America # 103 (DC, 1972), Amazing Adventures # 16 (Marvel, 1973) e Thor # 207 (Marvel,1973) também apresentaram um vislumbre do que poderia ser um crossover entre os personagens daquelas editoras.
Graças a Steve Englehart, Gerry Conway e Len Wein, que, depois de assistir a uma parada anual de Halloween na cidade de Rutland, nos Estados Unidos, decidiram escrever nos respectivos gibis em que trabalhavam uma aventura envolvendo os heróis fantasiados da editora concorrente.
As participações se limitaram a personagens figurantes vestidos de super-heróis em desfiles de carro aberto. Mas, em Justice League of America # 103, a ousadia foi mais longe. O vilão Félix Fausto dominou a mente dos fantasiados e lhes concedeu superpoderes. O resultado foi "Capitão América", "Homem-Aranha", "Hulk" e outros heróis da Marvel enfrentando a Liga da Justiça.
Inferior # 5
Até então, o mais próximo de um confronto desse porte tinha acontecido em outubro de 1968, na capa de Inferior # 5, gibi satírico da DC, que mostrou Homem-Aranha, Namor, Coisa, Tocha Humana e Senhor Fantástico tombados aos pés do Superman e de uma equipe de super-heróis desengonçados.
Mas foi somente em 1975 que os crossovers entre Marvel e DC começaram a ganhar forma, quando o agente literário e escritor David Obst resolveu levar a sério o que parecia apenas um desejo maluco de leitores ou brincadeira de quadrinhistas.
Depois de procurar Stan Lee e Carmine Infantino, respectivamente editores-chefes da Marvel e da DC, Obst os convenceu a apostar numa ideia que batizou de "a batalha do século": Super-Homem contra Homem-Aranha, o primeiro encontro oficial entre os personagens das duas maiores editoras de quadrinhos do planeta.
Um ano depois, a HQ Superman vs. The Amazing Spiderman foi lançada nos Estados Unidos, em formato gigante, começando a construir um currículo repleto de confrontos que marcaram época e resultaram em algumas das mais empolgantes histórias em quadrinhos de super-heróis de todos os tempos.
Stan Lee apartando a briga
Essa trajetória de superencontros inclui a inusitada heroína Mantis, que estreou numa edição de Avengers, em 1973, e saiu da "Casa das Ideias" para fazer parte da DC, em 1977, com outro nome. Ela voltou para a Marvel poucos anos depois.
E como seria de se esperar, feito uma linha do tempo paralela, desgarrada do fluxo cronológico original, Marvel e DC também protagonizaram crossovers fora de seus domínios, realizados em outros universos editoriais.
Isso aconteceu muitas vezes e continua sendo uma prática comum em gibis de diversos personagens, no Brasil e em outros países.
D'oh!
The Simpsons/Futurama Crossover Crisis II # 2
Foi uma rápida aparição. Mas pode ser considerada uma das mais divertidas cenas protagonizadas pelas criações das duas editoras.
Em The Simpsons/Futurama Crossover Crisis II # 2 (Bongo Comics, 2005), o traquina Bart Simpson contracena com Batman, Superman, Mulher-Maravilha, Homem-Aranha, Wolverine, Capitão América e Thor.
Os heróis embarcaram no clichê de brigar no primeiro encontro, não sem antes serem indagados pelo pequeno Bart sobre o fato de estarem com os rostos sempre escondidos na penumbra. A resposta foi dada pelo escalador de paredes: "Proteção dos direitos autorais".
Até que um roteirista os separe
DC fez uma discreta participação na cultuada minissérieMarvels, escrita por Kurt Busiek, desenhada por Alex Ross e lançada em 1994.
Na sequência que mostrava o casamento entre Reed Richards e Sue Storm, do Quarteto Fantástico, estavam na igreja, entre os convidados, muitas celebridades que gozavam de popularidade em 1965 - ano em que, na cronologia da série, aconteceu o enlace matrimonial do casal de super-heróis.
E nessa lista, seguramente fazendo seu papel de jornalistas cobrindo o concorrido evento, apareciam Clark Kent e Lois Lane - que, dois anos depois da publicação de Marvels, também se casariam.
Quando titãs colidem
O alter ego do Superman e sua então namorada fizeram outras aparições em títulos regulares da Marvel. Uma das mais lembradas, pela toada cômica, aconteceu em Thor # 341 (março de 1984), publicada no Brasil em Os maiores clássicos do Poderoso Thor # 1 (Panini, setembro de 2006).
Na HQ, Nick Fury encontra uma forma pitoresca de disfarçar o Deus do Trovão, que, naquela fase - escrita e desenhada por Walt Simonson -, não estava usando uma identidade secreta para viver entre os humanos. O comandante da S.H.I.E.L.D. entregou um par de óculos ao asgardiano, dizendo que aquilo servia, já que resolvia o mesmo problema do "outro cara".
Se a referência sutil não bastava, o "outro cara" (ou melhor, Clark Kent) e Lois Lane apareceram na página seguinte - com direito à jornalista chamando o namorado nominalmente.
Turma da Mônica
E foi então que, antecipando o que aconteceria muitos anos depois em LJA / Vingadores, os heróis se chocaram... literalmente: Superman foi derrubado por Thor quando, casualmente, os dois se esbarraram.
Supercoelhadas
Turma da Mônica pode se considerar privilegiada. Afinal, depois dos Estados Unidos, o Bairro do Limoeiro parece ser o lugar em que os super-heróis Marvel e DC mais dão as caras.
Eles são presença fácil nas histórias da baixinha dentuça, muitas vezes aparecendo juntos em inusitados crossovers, para ajudar a garotada contra grandes perigos - um rato que amedronta as meninas ou uma gota d'água prestes a atingir o Cascão -, ou mesmo apanhando da Mônica.
Dentre essas participações especiais, duas merecem destaque.
Uma delas pode ser vista em Mauricio Apresenta # 4 - Superparque (Panini, 2008), que trouxe somente aventuras com a participação dos super-heróis, incluindo uma em que os personagens da Marvel e da DC - à vezes formando dupla uns com os outros -, divertiam-se no Parque da Mônica.
E na HQ principal de Mônica # 54 (Panini, 2011), que comemorou a 500ª edição do gibi da personagem no Brasil, um ciumento Cebolinha não contém a indignação ao ver integrantes dos Vingadores e da Liga da Justiça rindo alto com um gibi da Mônica nas mãos.
Um tira da pesada
2000 AD
Ele é durão e não faz distinção de quem prende, julga e executa. Resta saber por que razão, em 1978, o Juiz Dredd aniquilou vários super-heróis Marvel e DC.
Tudo não passou de uma provocativa ilustração para uma publicidade institucional do clássico gibi britânico 2000 AD. Mas teve sucesso em chamar a atenção para a criação de John Wagner e Carlos Ezquerra, que havia estreado na revista no ano anterior.
Por Odin!
Em 2003, Garth Ennis e Glen Fabry criaram o viking zumbi e vilão cósmico Harald Jaekelsson, para a minissérie Thor - Vikings, da Marvel.
Passaram-se apenas alguns meses para que o mesmo personagem aparecesse em outra minissérie, dessa vez pela DC/WildStorm.
Não foi coincidência o fato de que Authority: More Kev também tinha sido produzida por Ennis e Fabry.
A luta continua?
O saudoso gibi Os Trapalhões, da Bloch Editores, acolhia os super-heróis Marvel e DC como poucos.
A Era dos Super-heróis
Superômi, Rúlki e Nega-Maravilha eram algumas das melhores paródias desses personagens, que costumavam se reunir em crossovers.
Num deles, no início dos anos 1980, a HQ foi censurada por motivos políticos (era época da ditadura militar no Brasil) e foi publicada com alterações. Na aventura, os heróis entraram em greve, reivindicando os mesmos direitos dos trabalhadores comuns.
Em 2012, a história original foi divulgada pelo seu desenhista, o cartunista Bira Dantas.
A Era dos Super-heróis
Quem foi criança em 1979 não se esquece de uma música que fez bastante sucesso no Brasil: A Era dos Super-heróis, faixa-título do LP da banda paulistana Lee Jackson.
Escrita pelo hoje autor best-seller Paulo Coelho, a letra da música unia os personagens Marvel e DC(como Capitão América e Lanterna Verde, dentre outros) em divertidas situações vexatórias.
Para completar, a capa do disco trazia uma ilustração em que os integrantes da banda faziam as vezes desses heróis.
Quem disse que só nos gibis é possível um crossover desse naipe?
Marvel e DC
Unidas por um título
No final dos anos 1990, a Editora Abril lançou o gibi bimestral Especial do Mês, com uma proposta singular: publicar HQs da Marvel e da DC no mesmo título.
A ideia deixou em polvorosa os fãs das duas editoras, que nem se deram ao trabalho de questionar a possibilidade de tamanha façanha, levando-se em conta que as publicadoras norte-americanas certamente não permitiriam uma iniciativa desse tipo.
Apesar de a intenção ter sido publicar uma editora por edição, Especial do Mês durou apenas quatro números (todos em 1998), somente com personagens da Marvel - X-Force, Tropa Alfa, Thunderbolts e Excalibur, respectivamente.
Não realizou o intento de fazer um crossover no mix do gibi, mas entrou para a história como um belo "quase" que atiçou milhares de leitores.
E se não há, no horizonte, nenhum vislumbre de mais um crossover inédito e oficial entre Marvel e DC, é certo que vai ter sempre um gibi de outra editora oferecendo esse presente aos leitores.
Fonte: Universo HQ

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas