Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

MITT ROMNEY: UMA GAFE ATRÁS DE OUTRA




Flávio Aguiar – Carta Maior, em Debate Aberto

A maior parte da mídia européia considerou a tournée do pré-candidato republicano à presidência dos EUA, Mitt Romney, um rotundo fracasso, marcada por gafes e declarações fora do lugar. Ao desembarcar em Londres, Romney disse (até hoje não se sabe por quê) que a Inglaterra poderia não estar preparada para a realização de uma Olimpíada.

O pré-candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Mitt Romney, e seus assessores, podem estar achando que sua viagem ao Oriente Médio e à Europa tenha sido um sucesso – levando em conta a direita que baba nos Estados Unidos, ou sua correligionária Fox News.

Mas a maior parte da mídia européia considerou essa tournée um rotundo fracasso, marcada por gafes e mais gafes, ou declarações fora do lugar.
Para começo de conversa, Romney, ao desembarcar em Londres disse (até hoje não se sabe por quê) que a Inglaterra poderia não estar preparada para a realização de uma Olimpíada, o que provocou reações azedas por parte do primeiro ministro David Cameron.

A seguir, Romney foi a Israel, esperando agradar o eleitorado judaico nos Estados Unidos que, segundo pesquisas, têm manifestado uma preferência majoritária por Barack Obama. Mas deixou atrás de si uma coleção de novas farpas. Primeiro disse que a capital israelense deveria ser Jerusalém, não Tel Aviv. Chegou a dizer que moveria a embaixada norte-americano para a cidade multissanta – retirando-a, portanto, da capital de hoje.

Não só isso desagradou os palestinos, como criou uma situação embaraçosa, porque nem mesmo os Estados Unidos reconhecem de jure a ocupação do lado leste da cidade. Embora Jerusalem abrigue todas as instituições do governo israelense (residência e gabinete do primeiro-ministro, Parlamento e Suprema Corte), não há nenhuma embaixada estrangeira na cidade, porque a ocupação do lado leste da cidade foi conseqüência da guerra de 1967, e a comunidade internacional, nem a ONU, a reconhecem como legal.

Para completar, Romney declarou que o sucesso econômico de Israel se deve a sua “cultura”, conotando uma superioridade cultural que levantou suspeitas de racismo. Além disso, atribuiu esse mesmo sucesso à intervenção da “Providência Divina”, ressoando fundamentalismos religiosos, além de demagogia barata.

Mas ainda houve mais: o apogeu da campanha de Romney em Israel se dividiu entre sua visita ao Muro das Lamentações, em Jerusalém, e a realização de um almoço para arrecadação de fundos, a 25 mil dólares por cabeça, com 40 presentes. Isso, se lhe rendeu 1 milhão de dólares, deixou aquele rastro de “candidato dos ricos” por detrás.

Nas suas declarações Romney se limitou a dizer que apoiava as acusações de Israel contra o Irã. Porém, um de seus assessores complementou a declaração dizendo que um governo Romney apoiaria uma ação militar unilateral de Israel
contra o Irã. O bafo quente da guerra acompanhou a fala da campanha.

De volta à Europa, Romney foi à Polônia, à convite de Lech Walesa, hoje um líder de direita – inclusive no plano religioso – em contraposição àquele personagem que foi tido como um fino herói do Solidariedade. O encontro dos dois, em que Walesa, que recusou um encontro no passado com Barack Obama, desejou sucesso à campanha do pré-candidato, foi seguido por uma áspera declaração dos atuais líderes do Solidariedade dizendo que não compactuavam com a preferência daquele por Romney. Ao contrário, sabe-se que os “Solidarnösc” de hoje preferem Obama, graças, pelo menos, ao viéis claramente anti-sindical de Romney.

É claro que a ida de Romney à Polônia também se contrapunha à vinda de Obama a Berlim, quando era candidato, recuperando a imagem de John Kennedy em 1961. E o pré-candidato de hoje aproveitou para dirigir uma série de farpas contra Putin e a Rússia, falando em falta de democracia e proximidades com o Irã e Hugo Chavez, o abominável homem dos trópicos para o pensamento conservador.

Ora, acontece que, de fato, Putin não é uma preferência da mídia européia, que o aponta como despótico, tirânico, e no limite como suposto suspeito da eliminação de adversários e críticos. Porém a política de distensão de Obama em relação à Rússia é cara a essa mesma mídia. Dessa vez a retórica de Romney trouxe à tona o bafo gelado da Guerra Fria, que ninguém deseja mais que sopre no inverno econômico da Europa e da Zona do Euro, que nào se sabe se está em derretimento ou em congelamento.

Enfim, quod erat demonstrandum, um rotundo fracasso, que levou algumas vozes da mídia a levantar a hipótese de que Romney não está mesmo pessoalmente qualificado para o que almeja.

* Flávio Aguiar é correspondente internacional da Carta Maior em Berlim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas