Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Novas revelações em escândalo agravam crise no governo de David Cameron





Marcelo Justo, Londres – Carta Maior

O "The Sunday Times", publicação do grupo Murdoch, que parece ter declarado guerra à coalizão conservadora-liberal democrata, revelou novas reuniões secretas do primeiro ministro David Cameron para obter financiamento partidário. O escândalo golpeou duramente o governo. Pesquisa mostra que a reputação de Cameron caiu ao seu nível mais baixo desde que se converteu em primeiro ministro. O artigo é de Marcelo Justo.

Londres - O escândalo das “doações em troca de acesso político” teve um novo capítulo com as revelações publicadas neste domingo pelo “The Sunday Times”. Como um jogador que mantém as cartas coladas ao corpo, a publicação dominical do grupo Murdoch, que parece ter declarado guerra à coalizão conservadora-liberal democrata, revelou novas reuniões secretas do primeiro ministro David Cameron para obter financiamento partidário.

Na segunda-feira passada Cameron publicou uma lista de 13 jantas que havia tido com doadores em uma tentativa de enterrar o escândalo causado pela investigação do “The Sunday Times” que filmou o então tesoureiro do Partido Conservador, Peter Cruddas, oferecendo acesso privilegiado ao primeiro ministro e a seu ministro de Finanças em troca de uma doação de 250 mil libras. Cameron assegurou que a lista continha todos os eventos com doadores dos quais participou desde a vitória eleitoral em maio de 2010. Mas neste segundo capítulo do escândalo, o jornal revela que houve outras jantas e que Cruddas, longe de ser um “jogador menor” como asseguravam altos dirigentes conservadores, havia participado da maioria dos eventos.

Segundo o periódico dos Murdoch, Cruddas garantiu uma doação de um milhão de libras duas semanas antes de renunciar ao seu cargo por causa do escândalo. Na gravação secreta, o hoje ex-tesoureiro dos conservadores não identifica o nome do doador. O “The Sunday Times” o identifica como Michael Bishop, ex-diretor da empresa aérea BMI, a quem Cruddas entregou um cartão de aniversário assinado pelo próprio Cameron. Bishop confirmou ao jornal seu encontro com Cruddas, mas disse que essa não era a cifra que havia doado.

O escândalo não se limita ao primeiro ministro e ao ministro de Finanças. Segundo o “The Sunday Times”, os doadores foram convidados a outras 15 jantas e almoços com ministros e altas figuras partidárias. Nestes encontros, pode-se fazer um “quem é quem” do Partido Conservador. Desde o ministro da Defesa, Phillip Hammond, até a ministra do Interior, Teresa May, e os titulares das pastas do Trabalho, Justiça e Educação, passando pela co-presidenta do Partido Conservador, a baronesa Warsi e importantes dirigentes, ninguém deixou de passar o chapéu para empresários e executivos do setor financeiro.

O chanceler William Hague foi o anfitrião de um evento privado com mais de 70 embaixadores estrangeiros, em outubro passado, financiado com uma doação de 10 mil libras de uma cliente de Sarah Southern, uma lobista que se encontra no centro do escândalo. Southern disse a dois repórteres do “The Sunday Times” que se fizeram passar por executivos de um fundo investidor em um paraíso fiscal que por essa soma eles seriam os “únicos participantes privados na janta”. Já Edward Staite, ex-chefe de imprensa do ministro de Finanças George Osborne, sugeriu a estes “executivos” que poderiam financiar uma Unidade de Política conservadora em temas que quisessem promover: Sarah Southern era a ponte entre Straite e os “executivos”.

O escândalo está golpeando duramente o Partido Conservador. Uma pesquisa publicada pelo “The Sunday Times” mostra que os trabalhistas têm uma vantagem de 9 pontos – 7 a mais do que há duas semanas – e que a reputação do primeiro ministro David Cameron caiu ao seu nível mais baixo desde que se converteu em primeiro ministro: hoje, somente 26% dos britânicos aprovam sua gestão. O escândalo se somou à polêmica do orçamento anunciada há dez dias que ficou conhecido como o “granny tax” (imposto da vovó), uma redução na renda dos aposentados para financiar um desconto tributário para os mais ricos.

As tentativas de escapar da “pior semana da coalizão” com alguma ofensiva que golpeie a oposição trabalhista converteu-se em espetaculares gols contra. Na terça-feira, o chefe de gabinete Francis Maude disse que os motoristas deviam abastecer-se com um galão adicional de gasolina pelo perigo que constituía a irresponsável ameaça de greve dos motoristas de caminhões-tanque.

Maude queria colocar o foco no vínculo econômico entre os caminhoneiros e o trabalhismo, mas sua advertência provocou o caos. Um estouro de motoristas desesperados gerou um perigo real de desabastecimento, algumas brigas a soco em postos de gasolina e uma mulher sofreu graves queimaduras quando transferia, em sua casa, gasolina de um galão a outro. Hoje muitos conservadores admitem que as palavras de Maude foram irresponsáveis e estão pedindo sua cabeça. O grupo Murdoch, que está entregando a fatura ao governo pela investigação que este ordenou o ano passado sobre as escutas telefônicas ilegais feitas por suas publicações, publicou com destaque no “The Sunday Times” “que os dias de Maude estão contados”.

Tradução: Katarina Peixoto


Fonte: Página Global

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas