Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

quinta-feira, 29 de março de 2012

Dilma Rousseff pede mais respeito da comunidade internacional com Brics


Foto: Reprodução de TV
A presidente Dilma Rousseff pediu, nesta sexta-feira, que a comunidade internacional respeite e a valorize mais os países que integram o Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Dilma lembrou que o bloco, sozinho, será responsável por 56% da economia do mundo, de acordo com previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI). A presidente condenou o protecionismo e defendeu a busca do crescimento econômico equilibrado, em meio à crise atual.
"Os (países do) Brics tornaram-se o mais importante motor da economia mundial", ressaltou a chefe do Estado brasileiro, no encerramento da 4ª Cúpula do Brics, em Nova Delhi, na Índia. Ela lembrou ainda que os países desenvolvidos "exportaram a crise" para as demais regiões e a busca por soluções para a resolver o problema gerou o protecionismo mais intenso.
A presidente fez um discurso de 14 minutos e uma declaração à imprensa ao lado dos demais líderes do Brics, ao final das reuniões ocorridas ao longo dessa quinta-feira. Ela tem ainda conversas bilaterais com os presidentes Hu Jintao (China) e Dmitri Medvedev (Rússia). Na quinta-feira, Dilma se reuniu com o presidente da África do Sul, Jacob Zuma.
Ela destacou que apenas as soluções exclusivas, adotadas por alguns governos, não são suficientes: "(Essas medidas) geram barreiras injustas". A presidente elogiou o socorro prestado pelo Banco Central Europeu a alguns países que apresentaram dificuldades. Segundo ela, é preciso estar em alerta sobre a precarização do mercado de trabalho, a recessão e as possibilidades de desemprego, consequência ainda da crise econômica mundial.
Em defesa do equilíbrio econômico, a presidenta ratificou a necessidade de reformas nos sistemas financeiros internacionais, como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial. Dilma reiterou que é necessário a reflexão sobre o mundo atual por parte desses organismos. "(É preciso que) reflita o peso dos países emergentes. Os (países que compõem o) Brics têm muito a dizer sobre desenvolvimento econômico e o meio ambiente", disse.
A presidente lembrou também que os países desenvolvidos, como os Estados Unidos e vários da Europa, ainda enfrentam os impactos da crise econômica internacional. "O mundo avançado e dos países desenvolvidos não saiu da crise", alertou. "(É fundamental) alterar a geometria da governança (política e econômica mundial)."
Dilma chegou na terça-feira à Índia, onde fica até o dia 31 para participar da 4ª Cúpula do Brics. Nas reuniões compareceram, além de Dilma, o primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, e os presidentes Hu Jintao (China), Dmitri Medvedev (Rússia) e Jacob Zuma (África do Sul).
Com informações da Agência Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas