Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Após levar bronca por gostar de Iron Maiden, menino roqueiro muda de escola

Ellen de Lima
Especial para o UOL Educação
Em São José do Rio Preto (SP)
  • Marcelo, 8, é advertido por diretora de escola de São José do Rio Preto (SP) por gostar de rock pesado Marcelo, 8, é advertido por diretora de escola de São José do Rio Preto (SP) por gostar de rock pesado
O garoto Marcelo Corrêa Carvalho, 8 anos, que foi repreendido pela diretora por gostar de rock pesado e não quis mais frequentar as aulas depois disso, começa nesta segunda-feira (8) em outra escola de São José do Rio Preto. A unidade segue a linha construtivista.
A escola dá aulas de música, tem uma banda e o garoto poderá até tocar guitarra, se quiser. A mãe de Marcelo, Nara Campos Calachi, não quis comentar sobre a mudança de escola do filho. Ele vai estudar no período da tarde e começa hoje, como ouvinte. Ela ainda deve decidir se ele fica definitivamente no novo colégio.
O menino estava em seu primeiro dia de aula na escola no Colégio Ponto Alfa quando foi repreendido pela diretora, a professora Ana Maria Fernandes, por gostar de rock pesado. Ele é fã das bandas de heavy metal Iron Maiden e Ozzy Osbourne. A diretora disse a ele que essas bandas fazem referência ao demônio e seus músicos praticam rituais satânicos. Depois da conversa, Marcelo não voltou mais à escola e deixou de tocar guitarra e violão, instrumentos que gosta e toca desde pequeno.

Batucada na carteira

Tudo começou porque Marcelo começou a batucar na carteira como se estivesse tocando bateria. A professora do Ponto Alfa não gostou e o mandou para a diretoria. Lá, a diretora Ana Maria Fernandes questionou seu comportamento e suas escolhas.
O menino teria dito a ela que quer ser guitarrista e que sonha em tocar com o Iron Maiden. A diretora mostrou imagens de capas de CDs das bandas, na tela do computador, e o alertou que “todas fazem referência ao demônio, com imagens satânicas e que lembram a morte”.
“Eu quis despertar nele uma reflexão para a realidade. Esse é meu trabalho, e as letras que ele ouve fazem alusão à besta, ao demônio. Não têm mensagem positiva”, disse a diretora Ana Maria ao UOL Educação na semana passada.
Marcelo é fã dos Beatles e do The Who desde os dois anos, mas hoje prefere Iron Maiden e Ozzy Osbourne. É um garoto considerado superdotado, segundo a mãe. “Ele tem grandes habilidades, pertence ao grupo dos supertalentosos para a música, matemática e derivados”, afirmou Nara. A diretora confirmou ser perceptível que o menino tem grau de inteligência acima da média.

Terapeuta discorda, mas pastor vê vantagens

Para o psicoterapeuta Renato Dias Martino, que também é professor universitário e já teve uma banda de rock, a diretora errou. “O que ela fez foi absurdo”, disse ele ao UOL Educação. Martino considera que, como educadora, ela precisaria ter cautela, principalmente por ser administradora de um colégio que prega a inclusão.
O terapeuta considera que o rock pesado é uma forma de extravasar temas que são tabu. “O rock é uma forma lúdica de lidar com o perverso. Ela foi incapaz de entender isso”, disse Martino. Para ele, a diretora não tem preparo para a função que ocupa.
O pastor evangélico Tiago Seilert, da Igreja Luterana no Brasil, afirmou concordar parcialmente com a decisão da diretora do colégio Alfa. “Realmente existem letras malignas que influenciam gerações. O que ela disse tem fundamento”, afirmou .
Porém, o pastor disse acreditar que a diretora exagerou na dose de realidade para a criança. “Eu acho que o estilo musical não é maléfico, mas as letras podem ser”. Para ele, a diretora errou ao passar por cima dos pais. “Ela exagerou.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas