Quem sou eu

Minha foto

Me chamo Rogério Rocha. Sou maranhense da cidade de São Luís, mas na verdade me sinto um cidadão do mundo. Sou pós-graduado em Direito Constitucional (Universidade Anhanguera-Uniderp-LFG), pós-graduado em Ética (IESMA), Graduado em Filosofia e Direito (UFMA), mestrando em Criminologia na Universidade Fernando Pessoa (Porto/Portugal). Atualmente sou Servidor do Poder Judiciário do meu estado. Exerci a advocacia durante 6 anos de minha vida,atuando nas áreas de Direito Civil (Família), Direito do Trabalho e do Consumidor. Fui professor do CEFET- MA (atual IFMA) por 2 anos, período em que lecionei tanto para o ensino médio quanto para os alunos de áreas técnicas as disciplinas de Sociologia, Filosofia e Metodologia do Trabalho Científico. Escrevo poesias desde os 12 anos de idade. Homem livre e de bons costumes, amante da música, da arte, da história e de viagens. Obs.: Postgraduate in Constitutional Law (University Anhanguera-Uniderp-LFG), Postgraduate in Ethics (IESM), graduated in Philosophy and Law (College); Public Server at Judiciary Power, Teacher, Poet.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Manifestantes e polícia entram em choque nas ruas de Atenas


A manhã desta quarta-feira em Atenas foi marcada por violentos confrontos entre manifestantes e policiais, poucas horas antes da votação do projeto de orçamento de austeridade no Parlamento.
Os policiais enfrentaram um grupo de 400 manifestantes de esquerda diante do Hotel Hilton, perto do centro da capital grega. Os ativistas, que tentavam se aproximar da praça Syntagma, foram dispersados com o uso de bombas de gás lacrimogêneo.
"Desde o ano passado, o governo decidiu destruir o funcionalismo público e as universidades. Nós pedimos eleições, caso contrário permaneceremos nas ruas durante um mês", afirmou Alexander, um estudante do quarto ano de Economia.
O projeto de orçamento, que prevê cortes de 28,4 bilhões de euros e privatizações que devem render € 50 bilhões aos cofres do Estado até 2015, enfrenta a enérgica oposição dos sindicatos, que iniciaram na terça-feira uma greve geral de 48 horas.
VOTAÇÃO NO PARLAMENTO
A sessão do Parlamento grego na qual serão votadas as duras medidas fiscais para que o país siga recebendo ajuda externa e evite a quebra começou com atraso de meia hora devido às dificuldades de acesso dos deputados ao plenário, segundo contou um parlamentar da oposição conservadora.
A polícia isolou os limites do prédio e as ruas que levam ao edifício por temer incidentes por parte de manifestantes contrários ao programa de ajuste no país, que hoje mantém o segundo dia consecutivo de greve geral.
A oposição majoritária conservadora da Nova Democracia, com 86 cadeiras, reiterou que votará contra as medidas. Fora a conservadora Dora Bakoyannis, presidente da Aliança Democrática, com cinco cadeiras, que declarou que se absterá, toda a oposição afirmou que votará contra as medidas.
O debate no Parlamento está previsto para continuar até as 12h, enquanto a votação acontecerá entre 14h e 15h (8h ou 9h de Brasília).
O partido do governo, o socialista Pasok, conta com 155 cadeiras, quatro mais que o necessário para que as medidas sejam aprovadas, e apenas um integrante da legenda mantém a ideia de votar contra.
O objeto da votação é uma nova série de medidas com as quais o Governo grego aspira arrecadar 78 bilhões de euros até 2015 para reduzir seu enorme déficit e tornar sustentável sua dívida, que supera 355 bilhões de euros.
Com France Presse e Efe
Fonte: Folha.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Participe do nosso blog, comentando, sugerindo e deixando o seu recado.

Postagens populares

Total de visualizações de página

Páginas